Após investigação, polícia prende suspeito de ter matado e estuprado servidor público no Tocantins

O inquérito que investigava a morte do funcionário público Josivam Alves Fidélis, de 28 anos, ocorrida no dia 13 de junho no município de Rio dos Bois, região central do estado, teve um desfecho surpreendente.

Segundo as investigações da Policia Civil, o servidor teria sido golpeado com uma garrafa pet cheia de gelo e depois esganado até a morte, após uma discussão iniciada por uma dívida de R$ 50,00. Ainda segundo as investigações, a vítima foi estuprada antes de ter sido assassinada.

O principal suspeito do crime, identificado apenas como ‘calango’ foi preso nesta quinta-feira (29), e está à disposição da justiça na cadeia pública de Miranorte.  Vítima e autor trabalhavam juntos no serviço de limpeza do município.

Investigações

Conforme o delegado Pedro Henrique Félix Bernardes, desde a época da morte, o fato despertou suspeitas de que pudesse se tratar de um crime e não de morte natural, como foi registrado no Boletim de Ocorrência.

“Desde o registro do BO, me causou muita estranheza o fato de o corpo ter sido enterrado sem qualquer tipo de procedimento legal, ou seja, não houve atestado de óbito, acionamento do SAMU, Perícia, tampouco o IML foi notificado para fazer o recolhimento do cadáver, sendo que dava a entender que alguém estava tentando esconder a verdadeira causa da morte da vítima, que foi enterrada poucas horas depois de sua morte”, disse o Delegado.

Após o crime, o autor providenciou para que o corpo fosse rapidamente enterrado e não acionou nem um órgão legal para fazer a verificação da causa da morte. O caso ganhou muita repercussão na cidade, pois havia a suspeita de que morte não tivesse ocorrido de forma natural.

Exumação

No dia em que o corpo do servidor foi exumado, ‘calango’ compareceu ao cemitério e chegou a ser interrogado pela polícia. Na ocasião ele negou participação no crime e foi liberado.

“Ocorre que para a realização dos trabalhos de retirada do corpo da sepultura e proceder à exumação, uma equipe da Prefeitura da cidade foi acionada para prestar apoio a Polícia Civil e como Calango trabalha no órgão, ele também compareceu ao cemitério e ajudou na ação”, disse o delegado.

 Causa da Morte

Os laudos apontaram que a morte de Josivan se deu por meio de esganadura. Após ser identificada a causa da morte, a Polícia Civil intensificou as investigações e passou a tratar o caso como homicídio. Durante os depoimentos de novas testemunhas e a descoberta de outras evidências, ficou comprovado que, de fato, Josivan havia sido assassinado por Calango, em uma confraternização em que ambos participavam.

 “Vale ressaltar que autor e vítima trabalhavam juntos como garis na prefeitura de Rio dos Bois, e no dia do crime, houve uma festa, onde havia o consumo de bebidas e também de drogas, na casa de Calango e que Josivan também estava participando do evento. No entanto, a vítima devia R$ 50 reais ao suspeito e, em determinado momento, Calango passou a cobrar Josivan, momento em que se excedeu e passou a golpear a cabeça da vítima com uma garrafa pet cheia de água congelada. Logo em seguida, Calango teria esganado Josivam com as próprias mãos e, logo após teria estuprado a vítima ainda em vida”, ressaltou o Delegado.

Crimes 

O delegado também ressaltou que o homem será indiciado formalmente pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil e também por estupro de vulnerável. “Importante frisar que o indiciamento pelo crime de estupro de vulnerável se deu em virtude do fato de que a vítima, Josivan, estava em completo estado de embriaguez e, portanto, não teve como oferecer nenhum tipo de resistência”, ressaltou a autoridade policial.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: