Suspensão das atividades não essenciais reduz em 28% registro de novos casos de covid-19 na capital

Com as atividades não essenciais suspensas há cerca de duas semanas, Palmas registrou uma queda de 28% nos casos novos de Covid-19 entre os dias 14 a 20 de março, em relação à semana anterior. De 14 a 20 houve 1.520 casos de covid-19. Ou seja, 591 casos a menos que do dia 6 a 13 de março.

Os números refletem a queda da taxa de contágio, que reduziu de 1,62 para 1,16 na última semana.  A taxa é o indicador que mostra a proporção de transmissões possíveis para cada novo caso da doença na Capital.

Em números absolutos, cada grupo de cem novos casos de Covid-19 na Capital passou a transmitir o vírus a 116 pessoas e não mais a 162 pessoas, como na semana anterior (a 10ª SE compreende o período entre 07 a 13 de março de 2021).

Cinthia acertou!

Segundo um levantamento feito pelo portal Cléber Toledo, a capital foi a única das cinco maiores cidades do Tocantins que conseguiram frear significativamente o crescimento dos casos de Covid-19. Ainda de acordo com o levantamento, nas demais cidades onde as medidas restritivas não foram adotadas, a velocidade de avanço da covid-19 aumentou significativamente. Em Araguaína saltou de 2,9% no dia 14 para 3,9% para esse domingo; em Gurupi de 5,3% para 9% e em Paraíso de 8,1% para 10,6%. No Tocantins essa taxa de crescimento passou de 5,4% para 5,6%.

A redução é importante, mas não torna o indicador satisfatório, explica o presidente do Centro de Operações de Emergências em Saúde (COE Palmas), Daniel Borini. A pandemia só estará controlada com a taxa de contágio abaixo de 1,0, segundo parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Nossa avaliação é de que o isolamento social, estimulado pelas medidas restritivas vigentes desde o dia 06 de março, vêm surtindo efeito. O que não significa que saímos do alerta. O cenário não melhorou. Este indicador nos mostra que a pandemia não manteve a mesma aceleração das semanas anteriores. Nossas unidades e os hospitais continuam sob pressão”, analisa Borini.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde (Semus), a 11ª Semana Epidemiológica terminou no último dia 20 com os seguintes números: 1.520 novas infecções confirmadas e 30 óbitos, elevando o saldo de vidas perdidas para 340 desde o início da pandemia.

A última média de ocupação hospitalar de leitos exclusivos para Covid-19 na rede pública e privada ficou em 86,4% e a média de ocupação das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de Palmas em 96,7%, segundo o Boletim Epidemiológico nº 367 publicado no dia 21 de março de 2021, com os dados do dia anterior.

Pressão sobre o sistema

Segundo o COE Palmas, não há uma previsão exata para se falar em cenário controlado. Graças à adesão da população e dos setores econômicos, é possível ver o início de uma desaceleração das transmissões, no entanto, o sistema de saúde local ainda opera sob intensa pressão.

“Os hospitais e nossas UPAs estão operando com sua capacidade máxima e isso não vai melhorar de hoje para amanhã. Os casos graves demandam internação por semanas. O que de concreto necessitamos agora é que as medidas de distanciamento social e de autocuidado sejam mantidas pela população para que menos casos novos surjam. Com menos contaminações, consequentemente, menos casos graves virão precisar de leitos. Só assim poderemos vislumbrar um cenário melhor para as próximas semanas”, afirma o presidente do COE Palmas.

Gráfico mostra casos confirmados de Covid-19, semana a semana, desde a chegada do vírus a Palmas em 2020
Fotógrafo: Divulgação Semus

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: